Seja bem vindo!

Pholia Roja

Código:




A PHOLIA ROJA é um desaclopador de gordura, eficaz e seguro na perda de peso, coadjuvante na redução da obesidade abdominal, desativa a biossíntese do tecido adiposo e previne a síndrome metabólica.

Produto indisponível!*

Cor
Tamanho

Pholia Roja

Código: 10209-1




A PHOLIA ROJA é um desaclopador de gordura, eficaz e seguro na perda de peso, coadjuvante na redução da obesidade abdominal, desativa a biossíntese do tecido adiposo e previne a síndrome metabólica.

De R$ 78,80

Por R$ 52,00

(ou 5x de R$10,40)

  • Cor
    Tamanho

Não sei meu CEP

Pholia Roja

Código: 10209




A PHOLIA ROJA é um desaclopador de gordura, eficaz e seguro na perda de peso, coadjuvante na redução da obesidade abdominal, desativa a biossíntese do tecido adiposo e previne a síndrome metabólica.

De R$ 148,00

Por R$ 96,00

(ou 6x de R$16,00)

  • Cor
    Tamanho

Não sei meu CEP

Pholia Roja

Código: 10209-2




A PHOLIA ROJA é um desaclopador de gordura, eficaz e seguro na perda de peso, coadjuvante na redução da obesidade abdominal, desativa a biossíntese do tecido adiposo e previne a síndrome metabólica.

De R$ 286,40

Por R$ 186,00

(ou 6x de R$31,00)

  • Cor
    Tamanho

Não sei meu CEP

Descrição

A PHOLIA ROJA é um desaclopador de gordura, eficaz e seguro na perda de peso, coadjuvante na redução da obesidade abdominal, desativa a biossíntese do tecido adiposo e previne a síndrome metabólica.


Ações

Eficaz na redução do peso em 30 dias;

Potencialmente eficaz na redução da obesidade abdominal;

Diminui a biosíntese do tecido adiposo;

Reduz o stress oxidativo;

Coadjuvante na prevenção e tratamento da obesidade e síndrome metabólica;

Reforça a capacidade antioxidante do organismo, inibe a síntese de adipócitos, que evita a síndrome metabólica e obesidade, induzida pela inflamação crônica;

Tem ação redutora do peso ligada de forma especial à redução da gordura retroperitoneal, potencialmente eficaz na redução da obesidade abdominal.


Mecanismo de Ação

O fitocomplexo formado pelos marcadores da Pholia Roja™  com padronização única, aumenta a capacidade antioxidante e  reduz a biossíntese de tecido adiposo, por meio do mecanismo de desacoplamento de prótons, na formação de ATP  mitocondrial. Esse mecanismo provoca uma leve diminuição do  potencial eletroquímico de H+, que é recomposto à custa do  aumento da respiração/oxidação de substratos energéticos.

Isto faz com que as células consumam mais glicose e gordura que o normal, evitando assim, a biossíntese de tecido adiposo. A produção de energia no corpo humano se faz, em sua  maioria, com presença de oxigênio. A reação responsável por isso é a fosforilação oxidativa, que ocorre nas mitocôndrias pelo  processo de transporte de elétrons, no qual a energia é armazenada na forma de ATP, a partir de ADP e fosfato (Nelson et al, 2002). Esta formação de energia se processa pelo  transporte de elétrons de hidrogênios, oriundos dos alimentos energéticos, carboidratos, gorduras e proteínas.

Os polifenóis, em especial, melhoraram o perfil metabólico,  caracterizado pela redução do peso, da glicemia, níveis de  colesterol total, triglicerídeos, ácidos graxos livres, leptina, e os níveis de insulina em jejum. Verificou-se o potencial  antidiabético do extrato de L. sinensis, por meio dos efeitos  anti-inflamatórios, em modelo animal (GUO et al, 2004).

 

Formulação

Pholia Roja........................200mg

Tomar 1 cápsula 1 hora antes do almoço e jantar.

Potes com 30, 60 ou 120 cápsulas.

* Com selo de autenticidade*

 

Advertências

1. Não compre medicamentos sem a orientação de um profissional.

2. As imagens presentes neste site são ilustrativas.

3. Não utilize o produto em caso de alergia a algum dos componentes da formulação.

4. Se houver alguma reação suspenda o uso do medicamento.

5. Não utilize se estiver fora do prazo de validade.

6. Proteja o produto do calor, sol e da umidade. A temperatura de conservação deve estar entre 25 e 30°C.

7. Evite acidentes, mantenha longe do alcance das crianças.

8. Grávidas e lactantes não devem fazer uso de medicação sem a orientação médica.

9. Somente pacientes em idade adulta devem utilizar este produto, mesmo que não haja contra-indicações do seu uso por faixa etária.

10. Utilize o medicamento conforme recomendado.

11. Caso não ocorra melhora dos sintomas consulte seu médico

 

Referências Bibliográficas

Informações do fornecedor.

ABAD, M.J et al. Antiviral activity of Bolivian plant extracts. Gen Pharmacol 32: 449-503, 1999.

AGOSTINI, F et al. Estudo do óleo essencial de algumas espécies do gênero Baccharis (Asteracceae) do sul do Brasil. Ver Bras Farmacogn 15: 215-220, 2005.

ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina – bases clínicas y farmacológicas. ISIS Ediciones S. R. L., Buenos Aires, Argentina. Págs 350-354, 1998.

ARAUJO, F.; Yamada, A. T.; ARAUJO, M. V.; LATORRE, M. R.; MANSUR, A. J. Lipidic profile of individuals without cardiopathy with overweight and obesity. Arquivos brasileiros de cardiologia, Rio de Janeiro, v. 84, p. 405409, 2005.

BARBOSA-FILHO, J. M et al. Plants and their active constituents from South, Central and North America with hypoglycemic activity. Rev Bras Farmacogn 15: 392-413, 2005.

BERNARDIS, L. L., & PATTERSON, B. D. (1968). Correlation between 'Lee index' and carcass fat content in weanling and adult female rats with hypothalamic lesions. Journal of Endocrinology, 40(4), 527-528.

 BRAY, G. A. Obesity: Definition, diagnosis and disadvantagens. The medical journal of Australia, Sydney, v. 142, S2S8, 1985.

BOUCHARD, C.; TREMBLAY, A. The response to long term over feeding in identical twins. New England journal of medicine, Massachusetts, v. 322, p. 14771482, 1990.

CHICOUREL, E. L et al. Contribuição ao conhecimento analítico de três compostos medicinais. Rev Brasi Farmacogn 78: 59-66, 1997/1998.

COELHO, M. P. G et al.; Anti-arthritic effect and subacute toxicological evaluation of Baccharis genistelloides aqueous extract. Toxicol Lett 154:69-80, 2004.

DE LAS HERAS, B. Antiinflammatory and antioxidant activity of plants used in traditional medicine in Ecuador. Journal of ethnopharmacology, USA, v. 61, p. 1616, 1998.

FERESIN, G. E et al. Antimicrobial activity of the Argentinian medicinal plant Baccharis grisebachii (Asteraceae). Journal of Ethnopharmacology, USA, v. 89, p. 73–80, 2003.

GENÉ, R. M et al. Anti-inflamatory, and analgesic activity of Baccharis trimera: identification of its active constituents. Planta Med 62: 232-235, 1996.

GONZALES, E et al. Gastric cytprotection of Bolivian medicinal plants. J. Ethnopharmacol 10: 329-333, 2000.

GUERRA, R. L. F. Nutrição e exercícios na prevenção de doenças. Rio de Janeiro: Médica e Científica, 2001.

GUIMARÃES, S F. Estudos de calogênese in vitro e dos efeitos do manejo fitotécnico no crescimento e na produção de óleo essencial em plantas de carqueja. [Baccharis trimera (Less) D.C.]. 128 f. Dissertação. (Mestrado) Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2001.

GUPTA, M. P. 270 Plantas medicinales Iberoamericanas. Editorial Presencia Ltda, Santafé de Bogotá, Colombia. 1ª edición, pág. 79, 1995.

GUS, M. (1998). Associação entre diferentes indicadores de obesidade e prevalência de hipertensão arterial Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 70(2), 111-114.

GUYTON, A. C. Tratado de fisiologia humana. 10. ed . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

HERZ, W et al. New ent-clerodane-type diterpeneids from Baccharis trimera. J. Org. Chem 42: 3913-3917, 1977.

HEYWARD, V.; STOLARCZYK, L. Avaliação da composição corporal aplicada. 2. ed. São Paulo: Manole, 2000.

HNATYSZYN, O. Argentinian plant extracts with relaxant effect on the smooth muscle of the corpus cavernosum of Guinea pig. Phytomedicine, USA, v. 10, p. 669674, 2003

JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L. Pratical assesment of body composition. Physical sport medicine, USA, v. 13, p. 7690, 1985.

KNOWLER, W. C.; PETTIT, D. J. Obesity in the pima indians: its magnitude and relationship with diabetes. The american journal of clinical nutrition, Bethesda, v. 53, p. 15431551, 1991.

LORENZI, H. Plantas daninhas no Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2000.

LOTUFO, P. A. Mortalidade precoce por doenças do coração no Brasil; comparação com outros países. Arquivos brasileiros de cardiologia, Rio de Janeiro, v. 79, p. 321325, 1998.

MATOS, F. J. A.; LORENZI, H. Plantas Medicinais no Brasil – nativas e exóticas. Nova Odessa: Ed Plantarum, 2002.

McARDLE, W. D. Fisiologia do exercício. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

MARINS, J. C. B.; GIANNICHI, R. S. Avaliação & prescrição de atividade física: guia prático. 3. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

NAKASUGI, T.; KOMAI, K. Antimutagens in the Brazilian folk medicinal carqueja (Baccharis trimera Less). J. Agric Food Chem 46: 2560-3564, 1998.

NELSON, D. L.; COX, M. M.; LEHNINGER, A. L. Princípios de bioquímica. 3. ed. São Paulo:

Sarvier, 2002.

OLIVEIRA, A. C. P et al. Effect of the extract and fraction of and Baccharis trimera and Syzygium cumini on glycaemia of diabetic and non-diabetic mice. J. Etnhopharmacol 102:465-469, 2005.

PEDRAZZI, H 1997. In Alonso J. R 1998. Tratado de Fitomedicina – bases clínicas y farmacológicas. ISIS Ediciones S. R. L., Buenos Aires, Argentina. Págs 350-354, 1998.

PEDRAZZI, V.; OLIVEIRA, P. T.; LOPES, R. A. Efeitos da hipertermia nos epitélios de revestimento e glandular das fossas nasais de fetos de rata. Estudo cariométrico. Revista da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, v. 15, p. 2730, 1996.

PEREIRA, R. S.; MATHEUS, A.; VOLPE, P. L. O. Biochemical influence of a homologous series of alkoxyphenols on Saccharomyces cerevisiae: a microcalorimetric and spectrophotometric study. Journal of fermentation and  ioengineering, USA, v. 85, p. 302305,1998.

RITTER et al., 2002; NUNES et al., 2003; PEREIRA et al., 2004.

RODRIGUES et al. Genotoxic and antigenotoxic properties of Baccharis trimera in mice. J. Ethnopharmacol; 125(1):97 – 101, 2009.

SEIDELL, J. C.; DEURENBERG, P. Obesity and fat distribution in relation to health. World review of nutrition and dietetics, USA, v. 50, p. 5791,1987.

ROSA, E. C.; ZANELLA, M. T., Ribeiro, A. B., & Kohlmann Junior, O. (2005). [Visceral obesity, hypertension and cardio-renal risk: a review]. Arq Bras Endocrinol Metabol, 49(2), 196-204.

SANTOS, M. R. V.; SOUZA, V. H., MENEZES, I. A. C.; BITENCURT, J. L.; REZENDE-NETO, J. M.; BARRETO, A. S.; et al. (2010). Parâmetros bioquímicos, fisiológicos e morfológicos de ratos (Rattus novergicus linhagem Wistar) produzidos pelo Biotério Central da Universidade Federal de Sergipe. Scientia Plena 6, 106-1010.

SIRI, W. Body composition from fluid paces and density: analysis of methods. In:

BROZEK, J.; HENSCHEL, A. Techniquies for measuring body composition. Washington, DC: National Academy of Science, 1961.

SOICKE, H.; LENGPESCHLOW, E. Characterisation of flavonoids from Baccharis trimera  and their antihepatotoxic properties. Planta Medica, USA, v. 53, p. 37-39, 1987.

SONSOLOES, S. P.; ABAD, M. J.; BEDOYA, I. L. M. Screening os South American Plants  against human immunodeficiency. Virus: prelimirary fractionation of aqueous extract  from Baccharis trinervis. Biological pharmaceutical bulletin, USA, v. 25, p. 11471150,  2002.

SOUZA, M. P.; MATOS, M. E. O.; MATOS, F. J. A. Constituintes químicos de plantas medicinais brasileiras. Fortaleza: UFC, 1991.

STUNKARD, A. J.; HRUBEC, Z. A twin study of human obesity. Journal of american  medical informatics association, USA, v. 256, p. 5154, 1986.

TORRES, L. M. B. Caffeoilquinic acid isolated from Cecropia glazioui induced a stimulant  cardiac effects in rats. Phytochemistry, USA, v. 54, p. 663673, 2000.

TORRES, L. M. B et al. Diterpene from Baccharis trimera with a relaxant effect on rate  vascular smooth muscle. Phytochemistry 55: 617-619, 2000.

VERDI, L. G.; BRIGHENTE, I. M. C.; PIZZOLATTI, M. G. Gênero Baccharis (Asteraceae):  aspectos químicos, econômicos e biológicos. Química nova, São Paulo, v. 28, p. 8594,  2005.

WILMORE, J. A.; COSTILL, D. L. Fisiologia do esporte e do exercício. 2. ed. São Paulo:  Manole, 2003.

AZZU, V.; BRAND, M. D. The on-off switches of the mitochondrial uncoupling proteins.  Trends Biochem Sci; 35(5):298-307, 2010.

DALGAARD, L. T.; PEDERSEN, O. Uncoupling proteins: functional characteristics and role  in the pathogenesis of obesity and Type II diabetes. Diabetologia; 44(8):946-65, 2001.

SOUZA, B. M et al. The role of uncoupling protein 2 (UCP2) on the development of type 2  diabetes mellitus and its chronic complications. Arq Bras Endocrinol Metabol; 55(4):239-48, 2011.

RICQUIER, D. Respiration uncoupling and metabolism in the control of energy  expenditure. Proc Nutr Soc; 64(1):47-52, 2005.

LOWELL, B. B.; SPIEGELMAN, B. M. Towards a molecular understanding of adaptive  thermogenesis. Nature; 404(6778):652-60, 2000.

LOWELL, B. B.; SHULMAN, G. I. Mitochondrial dysfunction and type 2 diabetes. Science; 307(5708):384-7, 2005.

VIRTANEN, K. A.; NUUTILA, P. Brown adipose tissue in humans. Curr Opin Lipidol; 22(1):49-54, 2011.

FUKUCHI, K et al. Radionuclide imaging metabolic activity of brown adipose tissue in a  patient with heochromocytoma. Exp Clin Endocrinol Diabetes; 112(10):601-3, 2004.

VIRTANEN, K. A et al. Functional brown adipose tissue in healthy adults. N Engl J Med;360(15):1518-25, 2009.

HIMMS-HAGEN, J.; DESAUTELS, M. A mitochondrial defect in Brown adipose tissue of  the obese (ob/ob) mouse: reduced binding of purine nucleotides and a failure to respond to cold by an increase in binding. Biochem Biophys Res Commun; 83(2):628-34, 1978.

BOUILLAUD, F et al. Detection of brown adipose tissue uncoupling protein mRNA in  adult patients by a human genomic probe. Clin Sci (Lond); 75(1):21-7, 1988.

HAMANN A et al. Analysis of the uncoupling protein-1 (UCP1) gene in obese and lean  subjects: identification of four amino acid variants. Int J Obes Relat Metab Disord; 22(9):939-41, 1998.

YONESHIRO, T et al. Brown adipose tissue, whole-body energy expenditure, and  thermogenesis in healthy adult men. Obesity (Silver Spring); 19(1):13-6, 2011.

TIRABY, C et al. Acquirement of brown fat cell features by human white adipocytes. J Biol  Chem; 278(35):33370-6, 2003.

FISLER, J. S.; WARDEN, C. H. Uncoupling proteins, dietary fat and the metabolic  syndrome. Nutr Metab (Lond); 3:38, 2006.

BRAND, M. D, et al. The significance and mechanism of mitochondrial proton  conductance. Int J Obes Relat Metab Disord; 23 Suppl 6:S4-11, 1999.

 

 


Comentários

Compre também